data
-- Hora Certa:
Banco Central e comércio dão mais sinais de nova recessão no país
15/05/2019 07:32 em Economia

BC informa que o 'arrefecimento' da atividade econômica do final de 2018 continua este ano. Comércio teve queda de 5% no Dia das Mães em relação ao ano passado.

 

O país amanheceu nesta terça-feira (14) com duas informações na área econômica que apenas confirmam o cenário de estagnação, apontando para a chegada de uma recessão. Ao divulgar ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), o Banco Central informa que “o arrefecimento da atividade observado no final de 2018 teve continuidade no início de 2019”. Enquanto isso, segundo pesquisa da Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop), os consumidores gastaram 5% a menos do que no ano passado para o Dia das Mães, a segunda data mais importante para o comércio varejista no país (a primeira é o Natal).

O BC reconhece que “os indicadores disponíveis sugerem probabilidade relevante de que o Produto Interno Bruto (PIB) tenha recuado ligeiramente no primeiro trimestre do ano, na comparação com o trimestre anterior”. O PIB referente ao período de janeiro a março deve ser divulgado no final de maio, pelo IBGE. Tecnicamente, o cenário de recessão é reconhecido a partir de dois trimestres com o PIB negativo, segundo economistas.

“A atividade econômica está praticamente paralisada na indústria, no comércio e em serviços, e não há nenhum tipo de política voltada a dar um pouco de vigor a ela. Só se fala em cortar e cortar. Portanto, o que se mostra à frente é no sentido de aprofundar ainda mais esse cenário”, diz Jorge Mattoso, economista e ex-presidente da Caixa Econômica Federal. “A perspectiva no próximo trimestre é nessa direção, de se manter ou agravar-se a situação. Nada aponta no sentido contrário.”

O grande problema é que, além dos cortes para “combater” o cenário desalentador, o governo só tem uma iniciativa: mais cortes. Diante do horizonte de contração do PIB, a equipe econômica comandada pelo ministro Paulo Guedes estuda a possibilidade de cortar mais R$ 10 bilhões no orçamento, após a redução de R$ 30 bilhões há um mês e meio.

“Se tivesse alguma política para oferecer crédito, favorecer o investimento, tanto público como privado, poderíamos esperar que o cenário se revertesse. Mas não há nada disso”, diz Mattoso.

Em sua opinião, a política do presidente Jair Bolsonaro é “praticamente a mesma” do governo anterior, de Michel Temer. “Só que mais acentuada, com intensidade maior. A diferença é que o Temer não podia tentar fazer um arrocho mais intenso, principalmente porque não tinha sido eleito. Por isso não tentou fazer a reforma da Previdência radical como essa que estão tentando.”

Para o ex-presidente da Caixa, a política de Paulo Guedes é algo que, hoje, não é adotada em lugar nenhum do mundo. “Mesmo nos países conservadores, como Itália – e nem vamos falar de países do leste, como Bulgária –, países que têm um discurso de direita, não se tem uma política radical como a de Guedes. Os argentinos tentaram fazer o que se quer fazer aqui, e estão numa situação terrível. É quase como a gente se olhar no espelho aqui no Brasil.”

No país vizinho, a pobreza cresce aceleradamente, a inflação acumulada de 2018 já bate em 50% e os tarifaços, com os cortes de subsídios, tornam a situação ainda mais dramática. Segundo matéria do site Carta Maior, de abril, “a indigência duplicou nos últimos três anos (período em que Mauricio Macri está no poder) e a pobreza cresceu em 20%”.

A Argentina realiza eleição presidencial em outubro. A ex-presidenta Cristina Kirchner lidera com 35,3% das intenções de voto, seguida pelo atual presidente, que tem 30,8%, segundo estudo do instituto Synopsis, realizado no início de maio. 

Manifestações

Na opinião de Mattoso, esta quarta-feira vai ser “um dia especial", com as manifestações deflagradas a partir do ataque do governo às universidades. "Até porque a reação das forças contrárias à política bolsonarista tem sido pouco intensa e pouco explícita até aqui”.

Ele diz que o atual governo é "contra a cultura, contra a educação, contra tudo, mas a favor das armas. Uma coisa meio bárbara”. “Tanto que, até mesmo pessoas conservadoras, como Rubens Ricúpero, ou qualquer pessoa minimamente democrática, fica abismado e indignado.”

Ricúpero tem feito críticas reiteradas ao governo Bolsonaro. Em entrevista a Jamil Chade, no mês passado, o ex-ministro da Fazenda e do Meio Ambiente afirmou sobre o atual presidente: “ele vê o papel dele mais como um papel de destruir o que outros, na opinião dele, erroneamente fizeram”.

 

Rede Brasil Atual

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!