data
-- Hora Certa:
Cinco meses após prisão de João de Deus, silêncio e abandono imperam em Abadiânia
16/05/2019 08:12 em Cidades

Turismo religioso era principal fonte de renda para famílias da cidade; prefeitura quer diversificar economia.

 

Cinco meses após a prisão do médium João de Deus, acusado por mais de 300 mulheres de ter cometido abuso sexual durante sessões de tratamento espiritual, a cidade de Abadiânia (GO) vive uma espécie de ressaca econômica e moral pelos efeitos colaterais causados a partir do escândalo, que foi manchete internacional ao longo de semanas.

Não era para menos. O pequeno município, de cerca de 18 mil habitantes, encravado na BR-060 entre Brasília (120 km) e Goiânia (80 km), tinha no turismo religioso a principal fonte de renda para milhares de famílias. Por mês, pelo menos 10 mil pessoas frequentavam a Casa Dom Inácio Loyola, fundada em 1976 pelo médium, que fazia cirurgias espirituais três vezes por semana, atraindo pessoas do mundo inteiro. Estima-se que cerca de 40% dos visitantes eram estrangeiros.

"Nós recebíamos em torno de 2,5 mil a 3 mil pessoas por semana. Às vezes ele [João de Deus] viajava, deixava de atender, mas quando ele estava atendendo, que era quase o ano inteiro, a gente recebia esse número de pessoas aqui na nossa Abadiânia, que se hospedava aqui e ficava aqui um ou dois dias", relata o prefeito José Diniz (PSD).

A grave crise no turismo religioso alertou o governo local sobre a necessidade de não depender apenas de um ramo de atividade econômica. Apesar da localização privilegiada, próxima das duas maiores cidades da região Centro-Oeste, há pouca presença de indústrias na cidade e, no campo, predominam os grandes latifúndios sem uma agricultura familiar forte. O próprio João de Deus é proprietário de algumas fazendas na região.

Para tentar aproveitar o fluxo turístico ainda existente, uma das alternativas acalentadas pela prefeitura é potencializar as opções de lazer no lago artificial formado pela usina hidrelétrica de Corumbá IV, que gera energia para o Distrito Federal. A política para explorar o reservatório inclui a pavimentação do acesso ao local e o zoneamento da área para uso misto, o que abre oportunidade para a construção de hotéis fazenda e casas de veraneio às margens do lago.

Entidades do Sistema S em Goiás, como Sesc, Sebrae e Senai se juntaram há algumas semanas para tentar contribuir com a reestruturação econômica da cidade. O primeiro passo foi dado com a capacitação de voluntários, que estão fazendo um levantamento local, a partir da coleta de dados e entrevista com empresários e comerciantes de Abadiânia. O objetivo é mapear o perfil dos empreendedores e definir um plano de ações para reestruturação do município.

Prosperidade ilusória

Quando João de Deus, que já era um fenômeno mundial, foi entrevistado pela apresentadora estadunidense Oprah Winfrey – que esteve pessoalmente em Abadiânia em 2012 –, a cidade passou a receber mais de 30 mil pessoas por mês. Esse movimento está em queda livre há cinco meses. Não há números oficiais, mas taxistas que atuam na cidade calculam que o movimento na Casa Don Inácio Loyola é apenas uma fração daquilo que já foi um dia. O local recebe agora menos de 100 visitantes por semana.

"Para se ter uma ideia, eu gastava, por mês, cerca de R$ 1,9 mil apenas com o pedágio cobrado na rodovia para buscar e levar turistas que vinham à cidade. Agora, não gasto mais do que R$ 120", conta um dos poucos taxistas que ainda persistem em frente à Casa Don Inácio na expectativa de um serviço de traslado.

Ele só topou falar com o Brasil de Fato sob a condição de anonimato. A reportagem esteve em Abadiânia duas vezes nos últimos 15 dias. O clima de silêncio é evidente na cidade. Difícil encontrar quem queira gravar entrevista, especialmente nas proximidades da Casa Don Inácio, que tem um comércio de serviços completamente associado ao turismo religioso.

Nas fachadas das lojas, as poucas que insistem em manter as portas abertas, as promoções são chamativas, com descontos acima de 50% na maioria dos produtos. Numa dessas lojas, que vende cristais, pedras e joias, a vendedora, que também não quis se identificar, conta que ela foi a única funcionária, das três que trabalhavam no local, que foi mantida no emprego. Na filial, que fica na mesma rua, dos cinco funcionários, só dois foram mantidos. O temor pelo futuro deixa as pessoas receosas.

Na rua Frontal, sede da Casa Dom Inácio, concentra-se o maior número de lojas, restaurantes e pousadas de Abadiânia. A reportagem contabilizou que das 13 pousadas ao longo da rua, nove estavam fechadas. O Brasil de Fatoapurou que um dos maiores hotéis da cidade sofreu redução de 70% na ocupação dos quartos.

(Foto: Pedro Rafael Vilela)

As poucas pousadas que seguiam abertas ainda recebiam alguns pequenos grupos de turistas, especialmente os estrangeiros que, embora em menor número do que antes, se mantêm como público fiel nas visitas à cidade. Eles são facilmente vistos nas ruas, sempre usando roupas brancas, transitando no comércio local e frequentando a Casa.

Desde a eclosão do escândalo, foram mais de dois mil postos de trabalho fechados na cidade. Esse, sem dúvida, foi o maior impacto econômico e social, como explica o prefeito José Diniz.

"O maior impacto na economia no nosso município, afetado pela crise nessa questão do Seu João, foi com relação ao desemprego. Abadiânia não era diferente dos outros municípios do Brasil, com relação ao índice de desemprego, era igual a todos. Com esse episódio, a gente perdeu aproximadamente 1,2 mil [empregos] diretos, no total 2 mil, entre diretos e indiretos", afirma.

E a situação ainda pode piorar, já que o dinheiro do seguro-desemprego, cinco meses após o início das demissões, começa a minguar.

"Agora que está vindo realmente a maior parte da onda, pois acabou o seguro-desemprego, direitos trabalhistas e agora está acabando, para muitos já acabou essa ajuda do governo, então agora a coisa tá ficando feia. O impacto foi muito grande nesses seis meses, um efeito dominó. Na sua maioria, 85% gastavam seu salário no comércio local, fazendo compra, enfim o comércio local teve sim um grande impacto, uma grande queda em relação a isso", diz o servidor público Eduardo Balbino.

A Prefeitura Municipal não estima o tamanho exato das perdas de arrecadação com a crise no turismo religioso, mas elas deverão ser expressivas, já que o setor de serviços é responsável por mais de 50% do Produto Interno Bruto (PIB) da cidade, que gira em torno de R$ 300 milhões por ano.

Reduto espiritual

A Casa Dom Inácio Loyola segue aberta mesmo após a prisão do médium João de Deus, ocorrida em dezembro. Não há mais cirurgias espirituais, já que só o médium as fazia, mas os fiéis se encontram em rodas de oração e encaminham preces todas as quartas, quintas e sextas, entre 8h e 14h. A biblioteca do local segue vendendo publicações de caráter espiritual e a farmácia vende água e remédios naturais que dariam suporte ao tratamento de doenças.

"Isso tudo vai passar. Abadiânia é uma escolha divina. O Seu João era apenas um instrumento", afirma Cristiane Morgado, paulistana que vive há três anos em Abadiânia, como se não conseguisse vislumbrar uma alternativa econômica para a cidade. Para ela, quem se afastou do local foram os turistas do tipo "São Tomé". É uma referência a ao santo São Tomé, um dos 12 apóstolos de Jesus Cristo que, segundo a bíblia, disse que só acreditaria na ressurreição de Jesus se pudesse ver e tocar nas chagas da crucificação.

"Se aconteceu [os abusos], foi uma punição grande para ele, esse período preso. A pessoa João, eu não sei. O mais importante é a fé, esse deve ser o foco, na Casa, nas entidades", acrescenta Cristiane, que trabalha como vendedora numa loja de roupas, principalmente batas, vestidos, camisas e calças brancas.

(Foto: Marcelo CamargoAgência Brasil)

A expectativa de quem acredita na predestinação de Abadiânia é que a cidade se mantenha como um polo espiritual mesmo após o fim da carreira do médium João de Deus.

"No futuro, uma outra pessoa com esse dom pode assumir os trabalhos de cirurgia espiritual. A cidade tem esse magnetismo", diz a terapeuta de uma clínica em Abadiânia que oferece massagem ayuvérdica e tratamentos holísticos com argila e pedras quentes.

"Pode ser que o turismo espiritual possa ter alguma influência em Abadiânia, mas agora não vai ser mais naquela porcentagem que tinha. Acredito que lá [na Casa Dom Inácio], se você for, existem pessoas, estrangeiros, que procuram. Eles alegam que tem uma força no local. Vai continuar, sim, em pequena escala, não vai acabar", afirma Eduardo Balbino.

Internado sob custódia em um hospital Goiânia desde abril, por decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), o médium João de Deus sofre, segundo os médicos, de um aneurisma no abdômen. Ele responde a um total de oito processos na Justiça, não apenas pelos crimes sexuais.

Há ações que tratam de posse e porte ilegal de armas e munições, corrupção e a ameaça. O caso foi tão rumoroso que o Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) montou uma força-tarefa para o caso. Uma ação civil pública movida por promotores pretende obter R$ 50 milhões do médium para arcar com indenizações e reparação às vítimas. Na ação, o MP pede também que o dinheiro seja aplicado em projetos de combate à violência sexual.

Edição: Aline Carrijo - Brasil de Fato

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!