Presos são submetidos a métodos medievais de tortura em presídio de Mato Grosso
25/02/2021 08:01 em Direitos Humanos

Relatório da Corregedoria mostra que violência era prática institucionalizada em unidade prisional de Sinop.

A Corregedoria-Geral do Tribunal de Justiça do Mato Grosso (TJ-MT) confirmou a prática sistemática de tortura e espancamentos de presos na penitenciária Osvaldo Florentino Leite Ferreira, conhecida como Ferrugem, em Sinop, cidade de 146 mil habitantes no norte do estado.

Os detalhes constam em um relatório de inspeção, realizado por uma comissão formada por juízes, auxiliares e defensores públicos.

A visita surpresa e a coleta de depoimentos ocorreram entre os dias 14 e 16 de dezembro de 2020, mas o relatório só foi finalizado há cerca de 10 dias, para conclusão dos exames médicos realizados nos presos.

Ao todo, foram ouvidos 72 presos, escolhidos por um critério de amostragem que incluiu integrantes de todas as alas da unidade. Desse total, 67 relataram práticas semelhantes de tortura e espancamentos, com práticas de caráter medieval. 

"O relatório fala, por exemplo, que havia dinâmicas de tortura com uma metodologia chamada chantily, que é a aplicação de spray de pimenta nos olhos da pessoa presa, utilização também de ferramentas, desde cacetetes até um instrumento denominado 'garfo do capeta' usado contra os corpos dessas pessoas", aponta Lucas Gonçalves, assessor jurídico da Pastoral Carcerária Nacional.

Moises Franz

Da Redação Serra FM

COMENTÁRIOS